InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Entrevista com Carol Vasconcelos

Ir em baixo 
AutorMensagem
Bianca Silva



Mensagens : 12
Pontos : 3264
Data de inscrição : 15/07/2014
Idade : 19

MensagemAssunto: Entrevista com Carol Vasconcelos   Dom Jan 11, 2015 6:33 pm

Yaaaay! 2015 começou com uma entrevista diferente e super legal com a Carol Vasconcelos.
Ela respondeu todas as perguntas e todas estão aqui. Vocês se comportaram, muito bem! Kkkkk'

Enfim, parei. Confiram a entrevista:


"Quais foram as maiores dificuldades que você já enfrentou na carreira e como fez pra continuar?" -Fernando
Resposta: Acredito que a maior dificuldade que um escritor enfrenta em sua carreira é a falta de apoio e incentivo para distribuição e divulgação de suas obras. Sendo assim, isso é algo que enfrento ainda todos os dias, pois sou uma autora independente, ou seja, não tenho uma editora. Então, além do trabalho de escritora (pesquisa, criação e escrita dos livros), faço também o trabalho da editora no que diz respeito à divulgação e distribuição.

"Qual a sua música preferida?" -Fernando
Resposta: Acho que não tenho uma música pimportância todo momento surgem novas músicas e me vejo escutando uma a cada dia. Para mim, as músicas tem mais a ver com o momento. Se estou escrevendo, a playlist conta com músicas celtas, Enya, Loreena Mckennitt, Imagine Dragons, Apocalyptica, etc. Já em outros momentos, escuto Coldplay, Beyoncé, Taylor Swift, Jessie J, Pentatonix, Linkin Park, etc. E AMO trilhas sonoras de filmes e séries.

"Qual o processo real com a editora após enviar o seu livro?"
Resposta: Depende. Se você é um escritor independente, geralmente você contrata alguém para fazer a revisão de português e também quem faça a leitura crítica e contrata uma editora (ou gráfica) que vai fazer a diagramação e a capa. No meu caso, encomendei a arte da capa a uma ilustradora e mandei para que a editora fizesse somente a edição da capa. Mas você também pode deixar que a editora te dê algumas propostas de capa. Para isso, é bom que você tenha uma ideia inicial e passe para a editora como você gostaria que sua capa fosse e que elementos você acha importantes que estejam lá. Depois que o livro estiver pronto, a editora vai te entregar. E ai você terá que fazer a divulgação e distribuição de sua obra. Já se você tem uma editora, basicamente ela fará tudo e você apenas dará opiniões sobre como você quer seu livro. As editoras grandes, que bancam a produção do seu livro, têm a própria equipe para cada etapa que citei anteriormente. Contudo, seu livro precisa ser aceito por essas editoras. Você manda para elas o original (algumas pedem que seja por email, outra por correio, algumas pedem somente a sinopse e as dez primeiras páginas. Isso depende muito de cada editora) e espera a resposta, que pode ser sim ou não e pode vir ou não. Algumas editoras recebem muitos originais e muitas vezes não respondem os autores que mandam.

"Qual a sesação de ver os leitores fascinados com o que você escreve?"
Resposta: Acho INCRÍVEL. É muito bom ver as pessoas conhecendo o mundo que criei, os personagens, escolhendo os lugares favoritos. Nem sei exatamente como descrever essa sensação. Só sei que é maravilhoso.

"Na sua opinião qual a real importancia da leitura para crianças e jovens?"
Resposta: Acho a leitura importante para qualquer pessoa, principalmente no que diz respeito a ver as coisas por vários pontos de vista, poder conhecer novos lugares, aguçar a criatividade, (re)significar experiências e conceitos, etc. Para os jovens, especialmente, acredito que muitas vezes a leitura é um conforto para algumas questões que passamos nessa fase da vida. As vezes encontramos nos livros alguém como nós, que nos entende, que passa pelos mesmos conflitos que estamos passando. Digo isso porque conheci Harry Potter aos 11 anos e aqueles personagens foram meus companheiros por tudo o que passei na adolescência (e são até hoje).

"Você escreveria em outro gênero?" -Alice
Resposta: Até hoje não tenho vontade de escrever nada que não seja literatura fantástica. Já tive ideias (poucas) de coisas que se encaixam em outros gêneros, mas nunca tive vontade de transformá-las em um livro ou conto. Me sinto bem escrevendo fantasia e sempre acabo levando meus personagens (ou sendo levada por eles, ainda não descobri isso) para algum mundo mágico.

"O que lhe inspira a escrever? Sempre tento escrever uma historia, mas depois desanimo..." -Joana
Resposta: Na verdade, para mim, escrever é uma necessidade. Então, é essa necessidade que me impulsiona a escrever. Escrevo se estou feliz, se estou triste, inspirada ou não. Apenas escrevo. E tudo me inspira. Pessoas, situações, experiências. Acho que eu não conseguiria ficar sem escrever. Até porque meus personagens me perturbam até que eu termine a história deles. Já teve dia que acordei no meio da noite pensando em uma cena e não consegui voltar a dormir até que terminasse de escrevê-la. Um erro muito comum de alguns escritores iniciantes é achar que precisa escrever algo perfeito da primeira vez. Ai acaba se boicotando, pois fica tão preocupado com regras que perde a fluidez do texto (e acha que perdeu a inspiração). Minha dica é que se preocupe apenas com suas ideias iniciais. Você irá reescrever aquilo centenas de vezes em centenas de revisões. As regras vêm depois. Primeiro, a fluidez da escrita e de suas ideias.

"Qual a melhor maneira de começar um livro? E qual conselho você pode dar aos futuros escritores de Natal?" -Jeff
Resposta: Acho que a maneira de começar um livro depende de cada escritor. Cada um tem seu jeito de escrever e desenvolver sua história. No meu caso, quando tenho uma ideia para uma história, geralmente faço um storyboard com tudo os pontos mais importantes e depois começo a pesquisar. Acho essa uma parte de extrema importância, pois é ela que irá dar credibilidade à sua história, torná-la consistente. O conselho que dou aos futuros escritores de Natal e de qualquer outro lugar é: acredite na sua história. É isso que leva você a qualquer lugar. Muitas pessoas desistem nos primeiros obstáculos, nos primeiros nãos, nas primeiras dificuldades. É preciso persistir para escrever uma história, é preciso persistir para divulgar um livro, é preciso persistir quando as vendas não estão boas. E acreditar em sua história, acreditar que o que você escreveu é bom e merece ser reconhecido é o que dará forças para que você continue nessa trajetória.

"Quando percebeu que gostaria de ser escritora? Alguém te incentivou ou você sempre quis?" -Léa
Resposta: Percebi que queria ser escritora quando conheci Harry Potter. Aos 11 anos, desejei contar uma história tão incrível quando a que eu estava lendo. Minha família e meus amigos sempre me apoiaram e incentivaram muito. Como eu comecei a escrever aos 12 anos (logo depois que terminei de ler o primeiro livro da saga Harry Potter), tudo era visto como um hobby. Acho que ninguém, nem eu mesma, sabia que eu me tornaria escritora. Quando eu fui crescendo e entendendo melhor as coisas, percebi que era aquilo o que eu realmente queria. E a escrita passou de hobby a trabalho.

"Por que este gênero? Como surgiu a vontade de escrever fantasia?" -Janine
Resposta: A vontade de escrever fantasia acho que tem a ver com o fato de ser isso o que eu mais leio. Acho que 90% do que leio hoje e do que eu li durante toda a minha vida é literatura fantástica. C. S. Lewis (autor de As Crônicas de Nárnia) afirma que um escritor deve escrever aquilo que ele gostaria de ler. Acredito que escrever algo que gostamos torna aquilo mais verdadeiro.

"Quais suas influencias na hora de escrever?"-Yuri
Resposta: Em relação à influências literárias, posso citar: J. K. Rowling, Marion Zimmer Bradley, C. S. Lewis, J. R. R. Tolkien, Raphael Draccon, Carolina Munhóz, Fernanda Lopes de Almeida, entre outros.

"Seus pais sempre te apoiaram na carreira de escritora?"-Yuri
Resposta: Sim. Minha mãe é escritora também, então nem preciso dizer que ela me apoia muito. Meu pai também. Ele sempre compartilha tudo o que eu posto sobre minha carreira. Aliás, minha família toda me apoia.

"Você tem algum costume/mania/tradição na hora de escrever?"
Resposta: Geralmente escrevo escutando música.

"Quem é seu escritor preferido?"
Resposta: J. K. Rowling.

"Já pensou em fazer alguma fantasia erótica?"
Resposta: Não. Mas tem algumas cenas apimentadas no meu próximo livro xD

"Qual a sensação de entrar na livraria e ver seu livro na prateleira?" -Lucas
Resposta: É muito bom ver meu trabalho em uma livraria, acessível para todos. Mas é melhor ainda ver meus livros nas mãos dos leitores.

"Qual seu maior sonho como escritora? Onde você quer chegar?" -Lucas
Resposta: Quero sempre chegar em um ponto depois do que eu cheguei hoje. Como subir uma escada infinita, quero sempre um degrau a mais, mas sempre valorizando todos os degraus que eu subi e me ajudaram a estar no degrau que estou hoje. Eu quero sempre poder criar novos personagens e chegar a mundo mágicos mais distantes.

"Qual foi sua maior realização enquanto escritora? Algum momento que muito marcante?" -Bianca
Resposta: Minha maior realização como escritora é poder ver que as pessoas estão gostando do meu trabalho. Não há nada melhor do que isso. Um momento muito marcante da minha carreira foi a Tarde Literária do Colégio Salesiano. É algo que nunca irei esquecer.

É isso gente! Espero que tenham curtido. A próxima entrevista é com a Luiza e vocês já podem mandar as perguntas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Entrevista com Carol Vasconcelos
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [ENTREVISTA COM O PERSONAGEM] Faça a sua pergunta!
» Entrevista a Masashi Kishimoto na Jump Festa 2012
» [WW] MELANIE MARTINEZ - Entrevista para a Billboard Magazine
» [US] Entrevista e stream oficial de "Dyed Bones" de Troye Sivan na rádio KIIS FM
» Desfile e Entrevista

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Camp HalfBlood RN :: Imprensa :: Entrevistas-
Ir para: